PESQUISAR NO TITANICFANS

A carregar...

sexta-feira, janeiro 13, 2017

COSTA CONCORDIA 5 ANOS

COSTA CONCORDIA 
5 ANOS
Pelo menos 32 pessoas morreram na noite de sexta-feira 13 para 14 de Janeiro de 2012, em Itália, durante a evacuação de um cruzeiro que encalhou num banco de areia na ilha de Giglio,  no sul da região italiana da Toscânia. A bordo do Costa Concordia seguiam 4.231 pessoas, incluindo passageiros e tripulação, numa viagem pelo Mediterrâneo, quando o navio embateu num banco de areia. O casco do cruzeiro ficou danificado e deixou entrar água. Seguiram-se momentos de pânico entre os passageiros e alguns atiraram-se ao mar. Alguns dos passageiros, citados pela ANSA, referiram "cenas dignas do  Titanic" a bordo, após a ordem de evacuação do navio, que causou disputas  entre as pessoas, choros e gritos, com alguns dos passageiros que tentavam  entrar nos botes salva-vidas a caírem para o mar. Muitos dos sobreviventes chegaram com sinais de hipotermia e receberam assistência em terra. 
A empresa, que emitiu comunicados sobre o acidente à 1h00 e às 5h00 locais, entretanto não divulgou mais informações.
As notícias da imprensa internacional basearam-se em declarações à agência italiana por parte do gabinete do presidente da Câmara de Grosseto, próximo de onde o navio estava “deitado”, com o lado de estibordo quase todo submerso, vendo-se no casco um enorme rasgão, que algumas fontes dizem ser de aproximadamente 30 metros.
Alguns passageiros ouvidos pela imprensa internacional reclamaram de desorganização na operação de evacuação do navio, dizendo que a tripulação adiou a descida dos salva-vidas e, quando o quis fazer, já não foi possível dada a inclinação que o Costa Concordia já tinha.
“Viram o [filme] ‘Titanic’? Foi exactamente assim que aconteceu”, disse uma dessas passageiras, professora em Los Angeles, que viajava com os pais e a irmã.
A notícia diziam que todos eles mostravam hematomas provocados pelo rastejar desesperado por escadas e corredores praticamente na vertical para tentarem chegarem aos salva-vidas.
Nas últimas horas começaram a ser publicados relatos dramáticos, entre eles o da mãe da professora de Los Angeles que contou em soluços o momento em que um casal de argentinos lhe tentou passar a filha de três anos, porque não se sentia capazes de sair do pátio que estava quase na vertical.
Ela relatou que acabou por devolver a bébé aos pais porque se sentiu puxada para baixo e teve receio que a criança caísse pelas escadas.
“Pensei que era o fim e pensei que eles deveriam estar com a sua bébé”, disse, enquanto uma das filhas se interrogava sobre o que é que terá acontecido à família argentina.
Essa família de Los Angeles relatou que foram dos últimos a abandonar o Costa Concordia e que tiveram que descer por uma corda do lado do navio que estava fora de água para conseguirem chegar a um barco de salvamento.
De acordo com os relatos dos passageiros foram surpreendidos ao jantar por um enorme estrondo, a que se seguiu um apagão.
Os passageiros relatam que depois pratos, copos, etc., começaram a cair.
Um desses passageiros contou que fugiu para fora do restaurante, mas que lhe foi dito que não era nada “perigoso”.
As notícias diziam também que por aproximadamente 45 minutos os tripulantes sempre diziam que o apagão devia-se a um “problema técnico”.
Esses passageiros também relataram que os mais experientes em cruzeiros trataram imediatamente de colocar os coletes de salvação e dirigirem-se para os pontos de socorro, mas que os tripulantes tardaram em fazer descer os barcos salva-vidas.
“Tivemos que gritar com os controladores para libertarem os barcos”, disse um passageiro sul-africano, que se queixou que os tripulantes não deixavam as pessoas passar dos corredores para os salva-vidas.
Um passageiro francês, oficial do exército, relatou também que nem nos barcos salva-vidas nem em terra houve uma contagem dos sobreviventes.
O chefe da Guarda Costeira no Porto de Livorno, citado pela CNN, comentou que o Costa Concordia estava “perigosamente” próximo da costa e admitiu que o acidente possa ter resultado de um problema técnico.
“Felizmente as condições de mar ajudaram-nos”, referiu, acrescentou que com o número de pessoas para resgatar do navio, em outras circunstâncias poderia ter ocorrido uma “tragédia”. 

O "Costa Concordia" de 290 metros, teve a sua viagem inaugural em 2006, e era um navio gémeo do "Costa Serena" e do "Costa Pacifica", os maiores barcos da "Costa Crociere" em capacidade para o transporte de passageiros, a sua lotação chega a 4.890 pessoas embarcadas (3.780 passageiros, 1.110 tripulantes). Ambos foram construídos pela "Fincantieri - Cantieri Navali Italiani S.p.A.". Estes barcos deram origem a um grupo de navios de cruzeiro que fazem parte de uma nova "Classe" de navio, a "Classe Concordia". O nome do navio, Concordia, simbolizava paz e harmonia entre pessoas e países. Grandes cidades como Paris, Roma, Londres e Atenas, cidades europeias, estavam lembradas na identificação dos lugares do navio, assim como as pontes foram baptizadas com nomes em homenagem a países da Europa, começando pela Olanda (ponte 1), Svezia (ponte 2), Belgio (ponte 3), Grecia (ponte 4), Italia (ponte 5), Gran-Bretagna (ponte 6), Irlanda (ponte 7), Portogallo (ponte 8), Francia (ponte 9), Germania (ponte 10), Spagna (ponte 11), Austria (ponte 12) e Polonia (ponte 14). O deck 13 por superstição não existia e não recebeu nome.